Somos mesmo todos diferentes? Sim, acho eu e acham os Circa Waves.

Depois de Young Chasers, um primeiro álbum simpático, e bastante indie pop, que marcou o meu 2015, eis que chega o segundo (esperado e temido, como de costume...) Different Creatures, onde os Circa Waves analisam temas maiores que as t-shirts de verão e afins, mas que, eu confesso, ainda anda longe daquilo que eu estou convencida que eles conseguem fazer.





Different Creatures tem um gosto um tanto retro, muito por causa das influencias que se notam a léguas: impreterivelmente encontramos bocados de bandas do universo indie de 2000 (como teria que ser...). Pedaços dos Pigeon Detectives, dos Franz Ferdinand, dos Editors, dos White Lies, dos velhos Kaiser Chiefs, dos Libertines ou mesmo dos Arctic Monkeys. Ou seja, no fundo, as bandas que, a mim, me continuam a fazer achar que o som das terras de Sua Majestade, limpinho e sem grandes distorções, me conquista mais do que qualquer outro.




A grande diferença entre Different Creatures e Young Chasers, tirando os temas que são mais "crescidos" e mais "introspectivos", prende-se no poder das guitarras e da bateria, que ganham aqui maior destaque e são mais inquietantes, não sei se também por ja terem crescido, ou se por terem ganho estrada.



Destaco Wake Up, com as suas guitarras inquietas e a bateria mesmo lá naquele sitio que eu gosto, apaixonei-me logo, na primeira vez, por Fire That Burns, com a inquietude própria de musica que dá vontade de dançar, sempre com os refrães marcantes e com uma conjugação de letras/guitarradas que deve dar grandes concertos. 





Goodbye entra no conjunto de musicas que tem uma belíssima letra e Without You, onde as tais influencias se mostram bem marcadas e onde tudo o que eu ja disse se mantém, sendo uma musica sobre amor, sem ser lamechas nem sequer calminha.



O resto? Não sendo mau, também não me convence. Parece que no resto das musicas houve um downgrade e o que eles fizeram foi "desligar o amplificador". Já o disse, não é mau. O problema é que, a mim, também não me convence. (Tenho sempre alguns problemas com as pessoas que, sabendo fazer 100 fazem 50 só porque "chega".)




Different Creatures é, então um álbum 50/50: o bom é mesmo bom, e o resto é mais ou menos. E se não existisse ninguém ia ter pena. É a tal diferença entre o que "chega" e o que conseguimos fazer melhor. Sendo que, neste caso, eu tenho a certeza que eles conseguiam.


Aguardo então por mais dos Circa Waves. Até porque, estão no caminho de ser uma daquelas bandas que me façam um dia dizer: estás a ver? De Liverpool não saíram só os Beatles!

Comentários

Phonograph Me on Instagram