"As The Setting Sun Comes Crashing Down On Me", ou coisas sobre o álbum dos Secret Weapons

Os Secret Weapons são um duo de americanos, praticamente desconhecido, Gerry Lange e Danny Rocco. E, são, para mim, uma das armas mais bem guardadas do Synthpop actual. Foram uma daquelas boas surpresas que me fizeram por o álbum a tocar em repeat (o que, ultimamente, como me farto de dizer aqui, é raro...): As The Setting Sun Comes Crashing Down On Me é um álbum recheado de pérolas, de musicas boas, com grandes letras e grandes beats. Para além de ter um grande titulo, convenhamos.


A formula é sempre simples: grandes palavras, acompanhadas por um beat perfeito, com palavras de ordem que marcam a cadência do som, pausas quase catarticas, instrumentos e sintetizadores muito alinhadinhos, que levam a músicas mesmo boas, como "Ghost", "Fire Burning", "Betty You Gone Wrong", "Power" e "Limousine", por exemplo, e outras, que parecem saídas de um livro de auto-ajuda e que não fazem nada o meu género.




“Ghost” é a musica que marca a entrada neste pedaço de mundo dos Secret Weapons. O refrão é forte e incitador e o uso de palavras chave é uma marca em todas as musicas. "Ghost" tem um toquezinho electrónico sem artifícios de maior. Noto-lhe(s) influência dos Daft Punk, com um cheirinho a anos 80 que não tem nada que enganar. As distorções que aparecem ao longo da música marcam-na, e, à própria banda per se.

“...Just a Ghost inside a shell, I know you so well...”


É a música mais forte do álbum, com uma secção de sopro invejável que nos guia logo desde o início, e nos faz querer dançar sem parar até ao fim.





"Power" tem uma roupagem mais um tanto mais funk, que nos leva mais ao universo de Stevie Wonder, se calhar. O beat é perfeito e a voz acompanha-o. Adoro o crescendo que culmina nas tais palavras de ordem, que são marca dos Secret Weapons. O refrão explode e põe-nos a dançar. Aliás, são os hiatos no meio das músicas que criam a ilusão de explosão e fazem o próprio som aumentar, dando-lhes volume e coerência.


“...Mama said don’t light this spark unless you want to feel the heat...”


Em "My Blue Heaven", adoro a entrada, que me lembra os anos 80, e o crescendo, que é maravilhoso. A presença do coro ajuda à grandiosidade da música, embora eu ache que, ao vivo a coisa seja ainda mais espectacular. As músicas dos Secret Weapons seguem normalmente uma única fórmula: a das palavras-chave e dos refrães marcantes.

Outro dos momentos chave do álbum é “Betty You Gone Wrong (Midnigt Song Part I)", mais funk outra vez, que canta uma história, muito ao jeito Michael Jackson, com os crescendos e as pausas dramáticas muito bem pensados. Esta é para mim uma das melhores músicas do álbum.


Resumidamente, e de uma forma muito racional, podemos colocar a coisa assim: os Secret Weapons têm tudo para ser uma banda que eu vou seguir. Pelo menos enquanto continuarem com tão boa música e tão boas letras, e enquanto me continuarem a dar tanta vontade de dançar. O resto? Fazemos de conta que não existe e continuamos à espera do sol. Que nasce sempre todos os dias.



...Truth or dare, does it kill you to be honest with yourself…”, em "Waiting For An Answer".

Comentários

Phonograph Me on Instagram