Winter Wonderland Q&A, por Hélio Morais

Sim, nós sabemos, o Inverno já era... em teoria pelo menos.
MAS!!!!! não podíamos deixar de fora uma última participação no nosso "pequeno" Q&A de Inverno. Ainda por cima, tão especial para nós e que marca o fecho de um ciclo. Se bem se lembram, começámos estes Q&A com o Nico Guedes, baterista dos Budda Power Blues.

Hoje, passamos a palavra a outro grande talento da bateria, Hélio Morais, membro dos Linda Martini, dos If Lucy Fell e dos PAUS, e que teve a paciência de nos responder assim:


1- Como perguntavam os Duran Duran (... e pronto, nós confessamos, as Spice Girls também...), "...who do you think you are..."?


Hélio Morais (HM) - Não penso, sou. Sou o Hélio Morais e gosto da ideia de poder ser músico. Aos poucos fui levando a minha vida nesse sentido e, de repente, tornou-se a minha realidade. Resta conseguir mantê-lo. 



2- Como nos dizem os Muse, "...Our hopes and expectations, Black holes and revelations..." no fundo, no fundo (e sem clichés por favor...) o que é para ti isto da música?

HM - Parte de mim e a coisa que mais me realiza profissionalmente. É, também, a forma mais natural que encontro para me expressar. 



3- O Roberto Carlos diz "...Quero que você me aqueça neste Inverno, e que tudo mais vá pró Inferno...", e, como de facto tem estado frio, nós queremos saber, aqueces a ouvir o quê (ou quem) neste Inverno?

HM - Rodrigo Amarante é quem tem tocado mais.



4- O Daniel Merriweather diz "...And everyone knows you but they ain't seen this side of you..." confessa lá, qual é o teu lado mais escondido..., ou seja, o que andas a ouvir que preferias que ninguém soubesse?

HM - Se preferisse que ninguém soubesse, não o confessaria agora. Mas o meu guilty pleasure é Justin Timberlake.



5– Os Arctic Monkeys cantam-nos que "...I'm going back to 505, If it's a 7 hour flight or a 45 minute drive,..." e tu? O que é que voltas sempre a ouvir, especialmente no Inverno?

HM - Quando o B Fachada editava discos, ouvia sempre o seu disco de Inverno. Agora, não tenho nenhum hábito especial, com um artista em particular.



6- A Whitney Houston dizia "...I wanna dance With somebody..." e tu? Danças? com quem? (ou com o quê?)

HM - Danço; coisa relativamente recente, até. Com quem? Normalmente, com amigos. Por vezes, com estranhos.



7 - O Bowie canta: “...Don't you wonder sometimes, 'Bout Sound and Vision..." nós por cá somos "concerteiras" assumidas, e tu, o quê ou quem é que não vais querer perder, sob qualquer circunstancia, num palco qualquer neste 2014?

HM - Rodrigo Amarante, Connan Mockasin, Caetano Veloso, Justin Timberlake e Capicua.



8 - Os Trêsporcento dizem "...dá-me um pico que te canto uma canção, cascatas de água em qualquer ocasião..." e nós o que queremos mesmo saber é: o que cantas nos banhos quentes de Inverno, quando achas que mais ninguém te está a ouvir?

HM - Vivo sozinho, por isso, de facto, ninguém me ouve. Rodrigo Amarante, ou B Fachada, tal como nos ensaios de som em palco.



9 -Para os TV on The Radio (tá bem... foi o Bowie primeiro, já sabemos...) "...we can be heroes, just for one day...". E os teus “heróis", quem são?

HM - Não tenho heróis. Não acredito neles. Admiro algumas pessoas. Admiro muito o meu irmão Rafael; ele sabe porquê.



10 - Mark Ronson diz "...But in the rain we all look wet and in the snow we all look cold..." e a ti? o que é que, no fundo, te faz ser igual a toda a gente?

HM - Ser, na verdade, igual a toda a gente, pelo facto de ser diferente. Se há coisa comum a todos os seres humanos, é serem todos diferentes.


11- Os Arcade Fire disseram nos "...We used to wait...". E tu? Do que estás mesmo a espera para o resto de 2014?

HM - Muitos concertos e paz de espírito.



12 – Para terminar, pedimos ajuda aos LCD Soundsystem, "...Its time to get away, its time to get away from you...", portanto, antes de te despedires, o que é que gostavas que ficássemos mesmo a saber que ainda não tenhas dito?

HM - Sou um tipo cheio de sorte.


Ora bem, como é publico e assumido a gerência é fã dos projectos do Hélio Morais. A Chavininha acha que ele é uma espécie de "Mark Ronson português" (o que daria imenso trabalho a explicar, mas que significa que ela gosta muito), e a Concertina diz que ele tem uma energia, uma força tão contagiante em palco, que é impossível não vibrar nos concertos. Que se sente a paixão pela bateria, e isso, no fundo é o mais importante.

Resta-nos agradecer-lhe do fundo do coração e dizer que vamos estar no dia 30 de Abril, no Lux a ver e ouvir o regresso dos PAUS a Portugal, e que esperamos encontrá-lo mais vezes a tocar por todo o lado.

Hélio, WE PHONOGRAPH YOU!!!!!!!

Comentários

Phonograph Me on Instagram